domingo, 2 de agosto de 2015

Brasão da Família Cotrim

O sobrenome Cotrim, também escrito Cutrim, vem do sobrenome inglês Coterel (ou Cotrel), apesar de muitos crerem que os Cotrim tenham vindo da Itália ou da França, na verdade eles vieram da Inglaterra e um ramo da família passou a Portugal no século XIV.
O sobrenome Cotrel vem da antiga palavra latina coterellus, que gerou o francês antigo coterel, este era um tipo de inquilino de uma casa no campo que pagava o aluguel de sua propriedade com serviço. Após a Conquista Normanda da Inglaterra, no século XI, surgiu a família Coterel inglesa, tal família passaria a Portugal por meio de Jaime Coterel, fidalgo e monteiro-mor do Infante D. Henrique.
Jaime Coterel veio a Portugal junto com a comitiva da princesa inglesa Filipa de Lencastre, que casou com o rei português João I de Portugal, mais tarde Jaime Coterel serviria ao filho do rei, o Infante Dom Henrique de Avis.
O sobrenome se adaptaria a língua portuguesa tornando Coterel em Cotrim. O brasão da família Cotrim é xadrezado de ouro e de azul, o timbre são três plumas em azul chapeadas de ouro.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Brasão da Família Canto

O sobrenome português Canto é uma variação do sobrenome inglês e alemão Kant, que é ocupacional e está relacionado à palavra Chantre, do antigo francês. O Chantre era o mestre do coro ou cantor de salmos nas catedrais e mosteiros medievais.
O cavaleiro inglês João de Kant se estabeleceu na Galiza e seus descendentes vieram para Portugal, o nome Kant foi adaptado à língua portuguesa gerando o sobrenome Canto. Aos Cantos de Portugal foi dado o brasão em vermelho com um canto de uma muralha de prata em forma de ponta diminuída.
D. Pedro Anes do Canto, bisneto de João de Kant, passou aos Açores se estabelecendo na Ilha Terceira, gerando o ramo dos Cantos das Ilhas. Pelos seus serviços, D. Pedro Anes do Canto recebeu do rei D. João III o brasão em vermelho com um canto de uma muralha de prata, sobre ele uma torre de prata com quatro bombardas nas ameias lançando fogo.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Brasão da Família Stoppato (Stemma della famiglia Stoppato)

O sobrenome italiano Stoppato surgiu na Lombardia, com importantes ramos nas comunas de Milão, Pavia e Varese na Lombardia, assim como na comuna de Turim em Piemonte e na comuna de Verona na região de Vêneto.
O sobrenome Stoppato está relacionado à palavra italiana stoppa, que significa “estopa”, que é o nome dado a fibras de algodão, o cânhamo ou linho, que após serem espadeladas e penteadas podem ser usadas na fabricação de pavios de velas ou de artilharia e artefatos explosivos, assim como para calafetar as tábuas do casco das embarcações e estofar moveis como poltronas e sofás. Desta forma acredita-se que o sobrenome Stoppato seja ocupacional, relacionado a algum ofício que se usa a estopa, outra provável origem ao sobrenome é que possa ter surgido como uma alcunha relacionada uma característica física, dado a pessoas com cabelos semelhantes à estopa.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Brasão da Família Neto

O sobrenome Neto surgiu na alcunha usada para distinguir um neto de seu avô quando eles têm o mesmo nome. O nome Neto já era usado como apelido em Portugal desde o século XII, quando certo Pedro Neto foi testemunha em uma escritura do Mosteiro de Lorvão, no distrito de Coimbra.
Os nobres da família Neto portuguesa descendem dos Netos da Cidade Rodrigo, estes teriam passado a Salamanca. Durante o reinado de Manuel I de Portugal um ramo da família Neto de Salamanca passou a Portugal por meio de Pedro Gonçalves Neto, este foi pai de D. Braz Neto que junto com seu irmão registraram o brasão partido de vermelho e de azul, sobre ambas um leão de ouro armado de negro, com uma bordadura de ouro, carregada de quatro flores-de-lis de prata e quatro folhas de figueira em verde postas em cruz.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Brasão da Família Tiger (Armes de la famille Tiger)

O sobrenome francês Tiger surgiu na Normandia e vem dos dialetos germânicos e significa “povo da lança”. A família passou a Inglaterra durante o domínio inglês sobre a Normandia e chegou a Península Ibérica, provavelmente, durante as cruzadas da Reconquista Cristã, o apelido então ganhou as variações Tigier, Tigre, Tygre, entre outras.
O brasão da família Tiger é em azul com cinco espigas de ouro plantadas sobre um terraço do mesmo metal.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Brasão da Família Colasanti (Stemma della famiglia Colasanti)

O sobrenome italiano Colasanti provavelmente surgiu na região do Lácio e dos Abruzos, estando relacionado ao nome de santos católicos chamados Nicolau, sendo o radical Cola um diminutivo do nome Nicola.
Apesar da relação religiosa o sobrenome é considerado de origem patronímica em que filhos de homens com nomes relacionados ao nome Nicola adotaram o apelido Colasanti.
O nome Nicolau vem do grego νικη (nike) , que significa “vitória”, e λαος (laos) ,povo”, logo Nicolau significa “aquele que vence o povo” ou “povo vitorioso”. 

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Brasão da Família Bahia e Brasão da Família Bahamonde

O sobrenome Bahia, que por vezes é grafado como Baía ou Vaía, surgiu na Espanha, alguns citam que tenha surgido no reinado do rei D. Bermudo III de Leão e  se difundiu pela Península Ibérica, com famílias Bahia em Astúrias, em Castela e na Galiza.
Teria vindo da Galiza os Bahia portugueses, estes usavam a variação Vahia ou Vaía e teriam chegado em Portugal no século XV. O brasão da família Bahia é em ouro com três faixas em verde.
Há quem diga que a família Bahia tem a mesma origem da família Bahamonde, descendentes da Casa de Romay, Condes de Monterroso, nobres da Galiza e da Andaluzia.
Os Bahamonde descendem do Conde Dom Rodrigo de Romaez, que se casou com a princesa Melícia da Inglaterra. O brasão da família Bahamonde faz uma alusão a esta princesa com a letra M em ouro coroado sobre um campo azul, o brasão tem uma bordadura de vermelho com sete peixes de prata, sendo três na parte inferior.